02 janeiro 2015

Resenha | Divergente


Título: Divergente
Original: Divergent
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco Jovens Leitores
Páginas: 500
Avaliação:  (5/5)
    


  Mais um livro que me prendeu do início ao fim. Li-o em menos de dois dias e quem conhece a história entende o porquê. Esperei que saísse o último volume para poder lê-lo. Sem arrependimentos de ter esperado.
   Beatrice Prior, aos 16 anos, precisa fazer a escolha mais difícil e importante de sua vida: decidir em qual facção passará todos os dias se sua vida. Isso acontece pois o mundo que conhecemos deixa de existe e, atualmente, Chicago é dividida em cinco facções responsáveis em manter a ordem de tudo:
Amizade - Formada por pessoas que culpam a agressividade pelos problemas do mundo;
Franqueza - Visa a excessiva honestidade, rendendo assim, líderes confiáveis para a Justiça;
Erudição - Pessoas que culpavam a ignorância;
Abnegação - Os altruístas, que culpavam o egoísmo; 
Audácia - Responsáveis pela proteção de todos e que não aceitavam a covardia.

   Cada jovem precisa decidir se ficará em sua facção em que nasceu ou se irá se transferir, deixando para trás sua família e seus amigos. Os jovens recebem uma ajuda, passando por um teste direcional. Mas Beatrice tem um problema em seu teste: ela não se encaixa em apenas uma facção. Corre um grande perigo, pois não é como os demais, não pensa como os demais. Ela é Divergente
   Mesmo tendo que lutar a cada dia contra sentimentos frustrantes, ela escolhe a Audácia e se torna ousada. Conheceu alguém diferente. Ela se conheceu. 
   O livro foca a maior parte do tempo na facção da Audácia, mas também temos vislumbres da sua antiga facção, a Abnegação, e também da Erudição. Alguns membros da Franqueza estão com Tris na Audácia e temos contato com eles também, a única facção que fica meio esquecida é a Amizade.
  Além de tentar esconder sua Divergência, Beatrice, ou Tris, precisará passa por um processo de iniciação. Passa por testes físicos, mentais e emocionais, a preparação para se tornar membro da Audácia pode ser fatal. Os fracassados se tornam sem-facção, e esse não é exatamente o sonho de Tris.
  Por incrível que pareça, o personagem mais complexo da história é Quatro, um dos responsáveis por treinar os iniciandos e alguém que acaba despertando sentimentos em Tris.
   A história é daquelas que te prendem, a qual você não consegue parar até devorar por inteira. Veronica Roth é, sem sombra de duvidas, uma escritora maravilhosas, tem um potencial incrível. O livro é repleto de ação e instiga a curiosidade a todo o momento.
   Questionamento é a palavra que define o livro. O tempo todo vemos Tris questionar tudo e todos à sua volta e nos leva a pensar com ela. Será que segregar as pessoas em facções é a melhor opção? Podemos mesmo apresentar aptidão para somente uma facção?
    Acabamos ficando na expectativa do que nos espera. Típica história "Vou ler só mais um capítulo" e acaba lendo o livro todo!


"Meu coração bate tão forte que o peito dói, e não consigo gritar ou respirar, mas ao mesmo tempo sinto tudo, cada veia e cada fibra, cada osso e cada nervo, todos vivos e alertas em meu corpo, como se tivessem recebido uma carga elétrica. Eu sou pura adrenalina."

Um comentário:

  1. Oiii Yuna!!! Td bem? Eu li a trilogia por causa do filme, então no primeiro livro tive todo o filme passando pela minha cabeça de novo, só que um pouco diferente. Prefiro o livro com certeza!! Já li a trilogia toda e me senti... Incompleta. :( Bom, o legal do livro são esses questionamentos dessa sociedade quase perfeita de Chicago e a coragem da Tris! Ela é uma protagonista de personalidade forte e cabeça dura! hahaha Boa sorte com as outras leituras! Insurgente é muito bom. Bjs
    folheandominhavida.blogspot.com

    ResponderExcluir

Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por;